16 de maio de 2015

Eve Risser “Des Pas Sur La Neige” (Clean Feed, 2015)



São três temas (‘Des Pas Sur la Neige’, ‘Des Pas Sur la Ville’ e ‘La Neige Sur la Ville’), cada qual com o seu esquema visual. No da capa, as pegadas sobre a neve parecem liliputianos pianos de cauda, aos pares. E se o minimalismo fosse uma questão de escala, podia, até, dizer-se que é neles que toca Eve Risser, o que só confirma o poder de sugestão desta música e o encantamento que nela reside. Aqui, atinge-se o máximo de efeitos com um mínimo de recursos, tudo é arbitrário e nada parece ter sido deixado ao acaso e, mais do que desafiá-las, expõem-se categorias ao ridículo. Por um lado, a pianista produz um incessante inquérito às virtudes mais especulativas do seu instrumento, para cujo âmago desliza como pela toca do coelho caiu Alice, e não se vislumbra uma ação mais dependente de um mundo interior. Por outro, mais não faz do que dramatizar perturbações domésticas: arrasta mobília do sítio fora de horas, mói ruidosamente grãos de café logo pela manhã, afina o chiar de canos enferrujados, traduz o ciciar dos ramos da árvore à janela, divide o ritmo de uma torneira que não para de pingar, aguarda enquanto o compressor do frigorífico dá continuamente o tom para uma canção que começa jamais, adivinha código morse nos passos dos vizinhos de cima, imagina uma batalha entre potes e panelas dentro da máquina de lavar loiça, põe o amplificador da aparelhagem a funcionar com uma pancada no sítio certo, coloca a cidade sob escuta. Toca e convida o ambiente a tornar-se livremente parte da composição, tanto quanto oferece ao seu ouvinte uma catedral na forma de uma “caixa de música”.

Sem comentários:

Enviar um comentário