14 de maio de 2016

Vladimir Horowitz: Horowitz in Moscow (Deutsche Grammophon, re. 2016)




De olhos sumidos, com o corpo encurvado para a frente, inexcedivelmente obsequioso, ao longe, dir-se-ia um japonês de estatura média prestes a ser engolido pelo piano. E para o regime soviético, que de tudo vez para que a sua aparição não se confundisse com a reabilitação de uma saudade qualquer, parecia tão estranho e insignificante quanto isso. A viagem tinha sido longa, a sua agenda tolhida pela emoção e o ensaio geral algo nervoso, com a equipa da CBS, que o acompanhava desde Nova Iorque, a esquadrinhar cada milímetro da sala em busca do plano definitivo. Uma hora e meia depois, terminado o recital, acenava aos camarotes e levava um lenço branco à testa e ao pescoço denunciando sinais de fadiga e rendição, mas, no fundo, não queria arredar pé do palco. Estava radiante e os seus gestos indiciavam um tipo de intimidade com a plateia que os factos, em rigor, desmentiam. Mas nada disso interessava. Aos 82 anos, a recapitulação de uma sina familiar tingida pela tragédia não tinha sido tão difícil quanto o esperado: nesse 20 de abril de 1986, Vladimir Horowitz era não só remetido aos seus antepassados como, também, restituído à sua própria imortalidade. Mas as coisas não tinham começado bem. Ouça-se o Scarlatti com que abriu o concerto e logo se perceberá que lhe custou a apaziguar tantos receios e desassossegos. Aliás, só no Allegretto da “Sonata em Mi maior”, de Mozart, domesticou a sua impaciência e apenas nos “Prelúdios”, de Rachmaninoff, e nos “Estudos”, de Scriabin, espantou da mente uma ideia absurda que dela se havia apoderado: a de que, ao fim de seis décadas de exílio, o regresso ao país que julgava ter abandonado em definitivo era menos a expressão de uma vontade pessoal do que uma exigência da política externa norte-americana, desejosa de corresponder aos sinais de Gorbatchov. Afinal, era mais do que suficiente arriscar a posteridade. Ou seja, quem tinha, a custo, atravessado o nadir da sua carreira não precisava agora da pressão acrescida de ver depender das suas ações o destino dos russos. Ainda assim, escutando-o no Grande Auditório do Conservatório de Moscovo, e pertencente ou não à nomenclatura, houve certamente quem tivesse concluído que, a tocar como há muito não o fazia, o pianista, mais do que a derreter os corações da audiência, estava, na realidade, a desembargar o gelo do corpo da Guerra Fria. *

* na edição da revista E de hoje foi publicada uma versão resumida deste texto

Sem comentários:

Enviar um comentário