30 de agosto de 2014

“Todos os Musicais de Chico Buarque em 90 Minutos” (Biscoito Fino, 2014)



Como se sabe, a ideia, boa e absurda, foi, em termos aproximados, aplicada pela Reduced Shakespeare Company às obras do autor de “Hamlet”. E, mesmo se confundem o nome da companhia norte-americana nas suas notas de apresentação, Charles Möeller e Claudio Botelho, encenador e dramaturgo deste delírio, reconhecem o vínculo: “Ali, poucos atores misturam todos os enredos e personagens do Bardo para criar uma nova peça, com sentido único e satírico.” Pensaram em Chico e “a ideia brilhou como uma lâmpada diante de nós.” Há coisa de 15 dias, e após uma temporada no Rio de Janeiro, o resultado – que, a rondar os 100 minutos, tem a duração de um jogo de futebol com os descontos – estreou no Teatro FAAP, em São Paulo, e manter-se-á em cartaz até dia 7 de setembro.

Quanto ao que passa em palco, a gravação, em estúdio, com o elenco original (Davi Guilhermme, Estrela Blanco, Felipe Tavolaro, Lilian Valeska, Renata Celidonio e Malu Rodrigues), destapa só a ponta do véu. Mas, ainda pela pena dos produtores, é útil saber que “Não é uma revista. Também não é um recital. Escrevemos uma peça nova, personagens, enredo, e nosso texto são as canções. (…) Em nenhum momento há qualquer referência às peças ou filmes originais.” Nada a apontar, se não for tida como incúria a omissão daqueles que, ao longo dos anos, tornaram Chico seu comissionista criando as circunstâncias para que nascessem as canções: por exemplo, no livreto, nem uma palavra para Naum Alves de Souza (de “O Grande Circo Místico”), para Augusto Boal (de “O Corsário do Rei”), Cacá Diegues (de “Quando o Carnaval Chegar”) ou Miguel Faria Jr. (de “Para Viver um Grande Amor”).

Mas claro que sobram as canções. Para recordar já um par delas, e também assim se referir que estão, no CD, com ordem trocada face ao que determina a arte gráfica da edição, aqui surgem ‘Biscate’, em que Valeska faz a sua melhor imitação de Gal, que a cantou em 93, ao contrário de outros instantes em que traz antes à memória o artifício que pode haver no grito de uma gaivota, ou ‘A Violeira’, em que Blanco encarna um provincianismo perfumado a pachuli, capaz de lembrar Chayene, de “Cheias de Charme”, mais até do que Elba Ramalho, que em 83 deu voz à canção. O musical prossegue à domesticação dos mais distintos afetos e dos instintos mais desavindos. Ignora “Dança da Meia-Lua” e “Cambaio” mas evoca muito dos filmes de Diegues ou Faria Jr. e da “Ópera do Malandro” (de ‘Pedaço de Mim’ a ‘Geni e o Zepelin’) ou de “Gota d’Água” (de ‘Bem Querer’ a ‘Flor da Idade’). Tem momentos inspirados (como ao cruzar ‘O Meu Amor’, ‘Tango de Nancy’ e ‘Ana de Amsterdam’ – três temas de outras tantas peças) e está imbuído daquele paradoxo que leva a que entendamos as grandes verdades como uma ilusão e que encontremos nas maiores mentiras toda a verosimilhança do real. Está cheio de teatro.

Sem comentários:

Enviar um comentário