2 de março de 2013

Maria Rita "Redescobrir" (Universal, 2012)



A canção era de Ivan Lins e Vítor Martins, que, como tantos, da sua posse foram destituídos no instante em que Elis a fez sua, e dizia “perdoem a cara amarrada/ perdoem a falta de abraço/ perdoem a falta de espaço/ os dias eram assim”, implorando “perdoem por tantos perigos/ perdoem a falta de abrigo/ perdoem a falta de amigos/ os dias eram assim”, para concluir: “e quando passarem a limpo/ e quando cortarem os laços/ e quando soltarem os cintos/ façam a festa por mim”. Chamava-se ‘Aos Nossos Filhos’ (Elis gravou-a em “Saudade do Brasil”, em 1980) e Maria Rita não a incluiu em “Redescobrir”, no qual, não obstante, trata de a seguir à letra. De facto, que se saiba, nenhuma outra carta lhe deixou a mãe quando, em 1982, tinha ela quatro anos, se despediu de si pela última vez, partindo naquele, ampla e sensacionalmente, mediatizado embalo de álcool e cocaína. Por isso, este espetáculo foi também um muito público ato de redenção. Os seus 28 temas – apenas ‘Imagem’ e ‘Arrastão’ são originários dos anos 60 – vêm predominantemente da década de 70, sendo que de dezassete deles, gravados entre 1977 e 1982, talvez por coincidência, foi Maria Rita contemporânea. Era uma fase tão complexa quão subtil em Elis, com aquele cabelo curto entre a Jean Seberg de “O Acossado” e a Sylvia Kristel de “Emmanuelle” a tornar ainda mais irredutível, inflexível e iconográfica uma expressão que nesse momento exatificava o paradigma interpretativo feminino na música popular brasileira, distante já da ornamentação e da hipérbole, recriando então o mundo à sua imagem. Maria Rita é mais pedagógica do que demagógica na sua evocação e, ocasionalmente, não receia o transe mediúnico.

Sem comentários:

Enviar um comentário